Diamantes Cultivados - Luxo para Conquistar os Millennials - bestmoney
Diamantes Cultivados - Luxo para Conquistar os Millennials - bestmoney
2735
single,single-post,postid-2735,single-format-standard,ajax_updown_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-9.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Diamantes Cultivados – Luxo para Conquistar os Millennials

diamantes

Diamantes Cultivados – Luxo para Conquistar os Millennials

Os millennials (nascidos entre o início da década de 1980 e o meio da de 1990) e a geração Z (nascida entre 1995 e 2010) representarão 50% do mercado de luxos pessoais no mundo em 2024*. Portanto, é natural que o setor esteja atento às preferências desses grupos ao traçar suas estratégias para os próximos anos.

Na joalheria, é crescente a preocupação em conquistar esses, hoje jovens, indivíduos, que se mostram muitas vezes mais tendentes a investir em eletrônicos sofisticados ou em experiências, como as viagens, e que são, também, mais sensíveis aos propósitos abraçados pelas empresas. É nesse contexto que passamos a observar os sinais de uma verdadeira disrupção no mundo das joias: a adoção de diamantes cultivados.

Foi o norte-americano Tracy Hall quem conseguiu, já em 1954, a proeza de criar em semanas o que a natureza leva milhões de anos para gerar. Porém, embora essas pedras de laboratório sejam utilizadas desde então pela indústria com diversas finalidades e seus preços sejam significativamente mais baixos que os dos exemplares naturais, elas sempre foram vistas com desconfiança pela joalheria.

Tal resistência é compreensível. Além de seu alto valor agregado, as gemas naturais são dotadas de grande apelo emocional, que é o comanda, em última análise, o consumo de luxo: extraídas das entranhas da Terra, elas são obras-de-arte geológicas unitárias, portadoras de longas histórias e algum misticismo, merecedoras de fascínio e consagradas como símbolos da eternidade do amor. Consequentemente, sempre foram instrumentos de storytelling sedutor e genuíno por parte da indústria joalheira.

Porém, o tempo se encarrega de trazer novos conceitos e, além dos aspectos financeiros, os diamantes cultivados passaram recentemente a ser valorizados por outros pontos, potencialmente sedutores para atrair também as novas gerações. Do ponto de vista ambiental, sua produção dispensa a remoção de milhares de toneladas de terra e o uso de óleo diesel. Além disso, embora haja hoje mecanismos internacionais para banir da mineração práticas política e socialmente condenáveis, as pedras cultivadas têm a vantagem do controle mais fácil de sua origem.

Nos quesitos beleza e características físicas e químicas, os diamantes de laboratório se equivalem aos não cultivados, sendo diferenciáveis deles apenas para gemólogos experientes. E há ainda a possibilidade de oferecê-los em cores, a preços impensáveis para as gemas naturais. Quanto à qualidade, o importante GIA – Gemological Institute of America – classifica-os, desde 2007, segundo os mesmos critérios aplicados aos espécimes tradicionais: os 4 Cs (cut, carat, color, clarity), apenas identificando-os para que o consumidor saiba o que está adquirindo.

Já há algumas joalherias pelo mundo que oferecem joias com diamantes cultivados. É o caso da norte-americana Brilliant Earth, cujo posicionamento é inteiramente voltado à responsabilidade ambiental e social. E também da inglesa Lark and Berry, que acaba de inaugurar a primeira joalheria física cujas peças empregam exclusivamente lab-grown diamonds. São marcas que fazem da adoção das pedras criadas pelo homem um motivo de orgulho e um diferencial de mercado.

Coroando a tendência, a De Beers, maior produtora mundial de diamantes naturais, anunciou em maio’18, depois de 130 anos de existência e décadas de resistência, o início da produção de pedras em laboratório, comercializadas nos EUA sob a marca Lightbox, separadamente das coleções de alta joalheria. O novo negócio é pequeno comparado ao principal, mas demonstra um olhar para o futuro.

A julgar pelo movimento de substituição de matérias-primas tradicionais por outras consideradas mais responsáveis, como as peles sintéticas nas coleções de diversas marcas de vestuário, convém à joalheria – e até à alta joalheria – considerar o potencial disruptivo dos diamantes cultivados.

*Boston Consulting Group

 

Por Rosana de Moraes

Rosana de Moraes
rosanademoraes@globo.com

Rosana de Moraes é mestre em Administração de Empresas com ênfase em Marketing / Comportamento do Consumidor. Publicitária, tem especializações em Marketing, Varejo e Serviços e Luxury Products Management. É professora em MBAs e cursos de extensão, é também palestrante convidada por empresas e instituições de ensino superior. Na área corporativa, atua há mais de duas décadas no mercado de luxo, tendo sido responsável pelas áreas de Comunicação e Marketing de marcas como Amsterdam Sauer e relógios Dior, Hermès, Ulysses Nardin, Breguet, Revue Thommen, Vulcain e Concord no Brasil. É Diretora da RM Lux Consultoria e Conhecimento.

No Comments

Post A Comment